Arquivo do mês: agosto 2014

Para Nardja

a que me pegou pela mão e me jogou pela escada em aspiral eu que encontrasse a saída no fundo dos olhos. Ela não podia estar ali só para entender, enquanto lágrimas de sargaços molhavam os pés da moça da

Para Nardja

a que me pegou pela mão e me jogou pela escada em aspiral eu que encontrasse a saída no fundo dos olhos. Ela não podia estar ali só para entender, enquanto lágrimas de sargaços molhavam os pés da moça da

Inverno

O sol me deixou Quis dar uma volta por aí Ele sempre volta

Inverno

O sol me deixou Quis dar uma volta por aí Ele sempre volta

Haicais – parte 3

Última luz do dia, lança beleza na nuvem de algodão por que no meu espelho não? ———– No azul do céu nuvem branca desenha um enorme véu.

Haicais – parte 3

Última luz do dia, lança beleza na nuvem de algodão por que no meu espelho não? ———– No azul do céu nuvem branca desenha um enorme véu.

Outono

Memórias são frutas amargas. Aquelas que evito colher Despencam podres em minha cabeça.

Outono

Memórias são frutas amargas. Aquelas que evito colher Despencam podres em minha cabeça.

#4 Sim, eu aceito

“Ligar o notebook é o melhor jeito de mudar sua vida, Nora. Vá pra casa e faça isso já!” A frase de Solange soava sindicalista em piquete, se instalou no ouvido e nada de sair. Foram oito longos minutos até o

#4 Sim, eu aceito

“Ligar o notebook é o melhor jeito de mudar sua vida, Nora. Vá pra casa e faça isso já!” A frase de Solange soava sindicalista em piquete, se instalou no ouvido e nada de sair. Foram oito longos minutos até o

As três irmãs – Insossa

Ela nunca quis entender porque sempre vivera sozinha. Mesmo quando ainda com os pais, as irmãs, ficava no canto, olhando tudo e todos. Em seu redor parecia existir uma redoma que afastava o parentes. “Menininha sem graça”, escutava das bocas alheias

As três irmãs – Insossa

Ela nunca quis entender porque sempre vivera sozinha. Mesmo quando ainda com os pais, as irmãs, ficava no canto, olhando tudo e todos. Em seu redor parecia existir uma redoma que afastava o parentes. “Menininha sem graça”, escutava das bocas alheias

Lápis por Elisa Xyz: modifiquei a orientação da foto (Sheila Boesel)

Poeminha ParaTi

Amado namorado traçado a lápis És minha faca e minha metáfora Teu olhar? Meu sal Teu tato? Minha dádiva Teu compasso? Minha viagem Fauno do casco de prata Ao teu lado sou cigarra Teu salto? Meu rastro Teus lábios? Minha

Lápis por Elisa Xyz: modifiquei a orientação da foto (Sheila Boesel)

Poeminha ParaTi

Amado namorado traçado a lápis És minha faca e minha metáfora Teu olhar? Meu sal Teu tato? Minha dádiva Teu compasso? Minha viagem Fauno do casco de prata Ao teu lado sou cigarra Teu salto? Meu rastro Teus lábios? Minha