Euthanatos

SONY DSC

– Então vocês não querem que ela seja reanimada…?

A pergunta me fisgou de dentro do livro, a narrativa superada pelo inusitado que se instalava tão próximo. Aguardava a vez de ser atendida na emergência de um hospital, o pós-Carnaval superlotando a sala de espera com gente de todos os tipos, os mesmos que superlotam salas de espera em outros dias também. Escorreguei o olhar à direita, a resposta devia partir do casal de quase 60 anos, ela num abrigo de tactel, a parte de cima não coordenando com a de baixo, ele metido em sandálias de couro, camisa clara, calça social, os dois não economizando tempo na resposta.

– Sim, não queremos.

O tema de Globo Repórter avançou. O plantonista – médico José alguma coisa, a informação disfarçadamente surrupiada do seu crachá – passou a listar o histórico de complicações: 89 anos, seis deles em uma cama, um AVC o motivo, catarata tomando ambos os olhos, escaras por todo o copo, duas delas em nível três, glúteos e cotovelos, já tinha tido uma parada respiratória, possivelmente outras aconteceriam. Os sinais indicavam o inequívoco, o corpo iniciava o processo de abandonar a vida, e enumerar todos aqueles sintomas em voz alta, mais do que ratificar o sim da família, era forma de buscar a concordância coletiva, vocês todos que estão aqui são testemunhas, não há maus tratos nem desamor na decisão dos familiares, não existe frieza ou mercantilismo por parte do hospital, havia pragmatismo combinado com generosidade, essa visão de vida que poucos aceitam cultuar.

A mulher, que eu intuía ser a filha – será por que identifiquei certa serenidade na voz, esta condição inerente a quem quita as faturas da consciência religiosamente em dia? – ainda balançou a cabeça por instantes, o olhar buscando o nada, o movimento silenciando o médico. A estratégia visava buscar as palavras certas, o segredo que transformaria a sala de espera em confessionário, e que padre não perdoaria em nome do Pai, do Filho, do Espírito Santo aquilo que todos sentem, mas poucos admitem, o desabafo entregando o material que constitui a natureza humana, liga rara criada a partir de toda espécie de paradoxo e contradição?

– Quantas vezes pedi a Deus que ela morresse? A gente ama ela, mas é horrível assim…

Os olhares de quem aguardava se chocavam, o silêncio que acompanha este tipo de situação se fazendo ouvir, e a empatia, desses remédios escassos em consultórios e ambulatórios surgiu na voz do médico, confidências igualando os dois lados.

– Entendo vocês, a família sofre. Também tive que decidir, com meu pai.

Não sei se ouve uma reconfortante troca de olhares entre eles, o entendimento perpassando as palavras, desconheço o desfecho da história, uma médica surgia na porta anunciando meu nome, minha vez de ser atendida deixando a eutanásia – a morte boa que volte e meia sacode a humanidade nas manchetes de jornais, tratada como dogma pela lei e pela sociedade, ali encarada sem máscaras, com vestes redentoras, piedosa e aceitável – suavemente para trás.

Anúncios

Sobre Setúbal

Setúbal é Luciana Iser Setúbal, nascida em 6 de março de 1974, em Porto Alegre (RS). Professora e redatora/revisora publicitária por formação e experiência, é leitora e escrevinhadora desde a mais imatura idade. Culpa do pai, jornalista, que sempre a incentivou a ler. Deu nisso, uma metida a besta que assume não ter carteira de motorista nem saber nadar, mas que se orgulha de escrever (acredita) muito bem. E que agora, escreve aqui: lsetubal.wordpress.com.

  1. Bela volta!!! Que bons caminhos tenham!! Belos texto, parceira!!!

  2. Sheila Boesel

    Gostei do texto Lu!!!
    E o legal é que já tens uma linguagem própria, não importa o tema da tua narrativa!
    Abração!

  3. A voz é marcante, sim, mas a escolha do tema, e o tratamento que lhe foi dado foi o que mais me impressionou neste texto. Já está entre os meus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: