A Puta

Me masturbo, brinco com o clitóris e na clareira branca enxergo a vagina inchada de Deus, linda reluzente no meio das pernas. Não me olhe com os cantos fingidos dos olhos – uma rocha se eleva na sua fronte – foi você que escolheu essa liquidez, essa viagem em torno do duodeno do universo, eu sou sólida, matéria bruta, simplificação. A tua não-forma não me serve pra nada. Ser escorregadio não é qualidade, é fuga, é covardia. Gosto de homens fracos, porque é como se eu possuísse os seus membros e pudesse a qualquer hora amputá-los. Prefiro viver retirando as vértebras com o alicate para caber nesse cubículo que é o mundo a me sujeitar, me embrenhar na sua pele de lagarto ressuscitado. Não posso pagar para que me contemple. O mar existe e não precisa de você, encare isso com sensatez. Súplicas se igualam a línguas roxas de cães mortos. Quando estou acocorada sobre seu medo penso na força das mandíbulas dos crocodilos. Me perdoe se aqui seus livros servem apenas para acender fogueiras e suas teorias não passam de alucinações de uma mente doentia. Estendo meu braço para que você faça as suas inoculações, enquanto me perco num riso convulsivo. Tua moeda não pode ser contabilizada. Teu sacrifício é tempestade de meteoros em noites de seca. Você se distrai contando os nódulos da sua carne, acredita que os cistos nascem nos espíritos bem dotados, superiores. Faço um corte na coxa e enfio seus dedos, quero que veja que a realidade é suja, obscena. Você reluta, no entanto, acaba gostando do cheiro do sangue, lambe disfarçadamente o dedo médio. O amor já traz no embrião-nascimento a fissura do desmoronamento. Povoados inteiros foram exterminados, bem ou mal sobrevivemos à catástrofe. Retiramos com cuidado os estilhaços. E você fica aí contemplando as ruínas para descrevê-las. Diz que o mundo recomeçará pela narrativa da destruição. Depois da chuva, vem o sol e depois do sol as formigas grandes brotam da terra, prontas pra morrer. Reviramos durante várias noites e assustamos a nós mesmos. Retiramos as máscaras, mas as carrancas continuam lá. A farsa continua lá, a argila deformando a cara. O esboço ri da pretensão da obra acabada. Quando crianças nossa maldade era dissimulada pela ignorância. Agora querem respostas, apenas os loucos e os artistas esboçam hipóteses. A arte é uma forma segura de preservar a vida, de torná-la menos irrisória, menos miserável, um tanto cômica. A vida seria insuportável se não pudesse ser narrada. Driblada entre uma vírgula e outra. Uma fogueira conta uma história e continua. O fogo se extingue e continua. Quem conta um conto se desfaz em devaneios. Era uma vez. No princípio, o Todo Poderoso criou os céus e a terra. A terra estava informe e vazia. Os vermes ainda não corrompiam a carne porosa de Deus. Agora depois do apocalipse a terra volta ao vácuo, à insipidez. Olho pela fresta da janela de madeira podre, montes de sal vão se perdendo aos poucos. Me alimento dessa perda, desse desgaste natural.α De longe é bonito ver a brancura, chegamos mais perto e o vento sopra salgado em nossas bocas, resseca-racha a pele. Minha herpes estourou pela sexta vez esse ano. Imunidade baixa, é o que dizem. Os morféticos não desistem de me perseguir. Um parafuso enferrujado atravessa a tarde. A existência vai se estreitando se cabendo em si. Perde o sentido. Sim, não me importo, vou começar de novo para que me entenda melhor. Foi isso mesmo que escutou. Não é devaneio. Um homem grande e forte arrastava alguma coisa, devia ser um corpo ou uma carcaça (de animal?). Ele mancava. Não dava pra saber se o sangue era da sua perna deficiente ou do corpo que arrastava com um pouco de dificuldade. O negócio é que nevava, a noite estava tão branca que tive a sensação que a cocaína cobria o mundo (embora agora, depois da guerra, era raro conseguir tal droga) e isso era bom. Respirei fundo. Eu sei, eu sei, aqui não costuma nevar, mas naquela madrugada… O certo é que não sei direito como adormeci nem o que sonhei, parecia que eu tinha levado uma bordoada na nuca e quando acordei, embora o sol não estivesse forte, afinal, era outono, a neve já tinha derretido, nem o homem nem a carcaça estavam mais lá. Parece difícil de acreditar, no entanto, foi isso que aconteceu. Pode escrever aí. (Continuo) Aprendi a jogar tarôt para me distrair, fingir adivinhar o que é tão óbvio. A vida começa a recobrar o sentido, estendo a toalha branca sobre a mesa, coloco as cartas – o enforcado, ela se ressuscita estrangulada nos vãos obscenos da laringe e da epiglote. Engolida a palo seco. A garganta é o esboço da buceta. E tenho joanetes na buceta. Todos os dias nos enfiam um pau duro no rabo. E tiram antes que se chegue ao gozo.  Conto na rachadura dos dias todos os meus coitos interrompidos. A ressaca rasga-rompe as manhãs. Anunciação. Mais uma vez gritam, mais uma vez o eco responde Anunciação. Gosto dos brejos e dos rios temporários, que de vez em quando são deserto, promessa, espera de chuva, morada de caranguejo, criança caminhando no fundo. Crescemos e boiamos na superfície, matéria aerada, zunido de besouro, furúnculo na perfeição de Deus. Os olhos dos caranguejos me assustam, são móveis, olhos humanos, acusadores. Não que a culpa me seja um dom. Não herdei essa culpa que faz do homem um ser caridoso. Advogo para os monstros. Faço vivissecções em cães raivosos. Não acredito em réus primários. Não existe a quem recorrer- todos juízes da própria carne. Os cavalos escutam apenas os seus trotes cada um que cuide do seu casco. O meu é único, pouso de moscas. Alívio de larva. O que imaginou? Alguém pedindo licença e retirando seus escombros? Alguém lambendo tua mortalha? Vigiando seus passos? Aqui os olhos são duas covas no meio da cara. Aqui todos os mortos são enterrados nus. Os músculos são descolados dos ossos, rompidos feito elástico podre. As roupas são dadas aos jovens e as jóias roubadas pelos mais espertos. Nada se leva da vida. Que fique bem claro. Não se engana o diabo. Caminhe sem tirar os pés da lama. Confie em mim, você não afundará, sua alma tem o peso dos desacordados. Grite à vontade, o som não se propaga no vácuo. A única coisa que pode fazer é contar as feridas, os arranhões para esquecer as tripas expostas, lamber o esperma que escorre do seu abdômen, se alimentar de você mesmo. As pústulas ainda se espalham rapidamente pelo seu corpo, em breve você partirá. Acordo e mantenho as janelas cerradas.

α quando criança me admirava da onipotência da erosão, do seu poder de mudar as  formas das coisas grandes, ainda hoje ela me assusta
Imagem: Tiago Cunha Fernandes
Anúncios

Sobre marciabarbieri

Literatura e artes

  1. Parabéns Marcia! Sempre intensa nos escritos. Adorei!

  2. Marcia, teus versos gritam e ecoam no ar, são lancinantes e psicotrópicos!E sou arremessada pra dentro de mim!Abreijos, Rachel KeKa Alves.

  3. Tiago Bode

    muito foda, Marcia! parece que levei uns trinta e cinco socos para cada linha, imagem, cheiro e som que estão aí. sensacional!

  4. Fico observando. Como pode? Só a mente privilegiada de Marcia Barbieiri pra conseguir tanta fluência de metáforas, criando este maravilhoso caleidoscópio.

  5. Leitura envolvente. Faz estarmos presente ! Incrível !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: